A maioria das crianças gosta de ler poesia infantil porque é muito divertida e estimula sua imaginação. De fato, é um grande recurso educacional que aprimora o desenvolvimento do pensamento infantil, promove valores estéticos e favorece a linguagem e a compreensão de conceitos mais abstratos. Para piorar a situação, eles também trazem enormes benefícios no nível emocional, pois as crianças que lêem poemas são capazes de identificar seus sentimentos mais facilmente e tendem a ser mais pacientes e tolerantes.

O melhor é que é uma atividade que pode ser desfrutado a qualquer hora do dia, em família ou antes de ir para a cama, para ajudar as crianças a adormecer melhor. No estágio infantil, oferecemos alguns poemas curtos sobre animais que você pode ler com as crianças em casa, para que possam se beneficiar dessas vantagens e também aprender um pouco sobre as peculiaridades desses seres vivos.

Poemas sobre animais para passar o tempo diversão com crianças

1. Concha, por Federico García Lorca

Eles me trouxeram uma concha.
Lá dentro, ele canta
um mar de mapas.
Meu coração
enche-se de água
com peixinhos
sombra e prata.
Eles me trouxeram uma concha.

2. Pato, de Blas de Otero

Quem era um pato
para nadar, nadar em todo o mundo,
pato para viajar sem passaporte
e revisar, passar, atravessar fronteiras
como quem passa pelo
Pato.
Atropelando o patinho.
Prata do norte.
Ouro do sul. Dançando patinho.

Meu Deus, deixe-me ser um pato
Por que tantos problemas,
tanto papel,
ou tanta bobagem?
Pato.

Olha, assim
que desce o rio
buzinando.

3. Nana de la tortuga, de Rafael Alberti

Verde, lenta, a tartaruga.
Ele já comeu a salsa,
a folha da alface!
Na água, o banheiro é
transbordando!
Para a água, pato!
E sim, eu gosto de
e da criança ver a tartaruga
boba e sozinha nadando.

4. Meu gatinho, de Amado Nervo

Eu tenho um gatinho frio
e se eu o deixar dormir
junto comigo, no momento
seu rum-rum começou a ouvir.

E rum-rum significa :
-Obrigado, estou muito feliz!

5. Gallinita ciega, de Gloria Fuertes

Gallinita foi
encarcerada em seu curral,
com a perna amarrada
em um matagal.

Gallinita costura,
costura um avental
para ela pintinho,
que não sabe andar.

Galinha chora:
'Kikirikiká!'

Ela ficou cega
de tanto chorar.

Galinha cega
pesquisa o palheiro.

– O que você perdeu?

– Agulha e dedal.

– Volte três vezes
e você o encontrará.

Galinha cega
gira sem parar.

Pobre galinha,
vai ficar tonto!

6. Cinco filhotes, de Violeta Olivares

A galinha Quiquiriquí, esposa do galo Cocorocó,
cinco ovos aninhados.

Cinco filhotes nasceram: eram todos pequenos,
amarelados, todos iguais.

A mãe ele não sabia o que fazer
para que seus filhotes reconhecessem.

Papa Gallo recomendou que cada filhote
recebesse uma linda fita de cor diferente.

O primeiro filhote foi colado com uma fita azul. [19659008] Ele vestiu o segundo pintinho de verde limão.

O terceiro pintinho fofo ficou com uma fita marrom.

Ele vestiu o quarto pintinho com vermelhão.

Quando o quinto pintinho foi gravado, Oh,
surpresa, não era uma garota, mas uma garota bonita.

Então a mãe galinha, com toda delicadeza,
colocou um grande laço de tule nela.

7. Los pajaritos, de Gloria Fuertes

Os pássaros não têm dentes,
Com seus bicos, eles desaparecem.
Os pássaros pescam peixes
Sem rede ou cana.
Os pássaros, como anjos,
Eles têm asas.
Pássaros são artistas
Quando cantam.
Pássaros colorem o ar
De manhã
À noite
Eles são músicos adormecidos

É triste ver um pássaro na gaiola.

8. Os ratos, de López de Vega

Os ratos
se reuniram para se livrar do gato;
e depois de muito tempo
de disputas e opiniões,
disseram que iriam
acertar em colocar um chocalho nele ,
que passear com o gato,
poderia fugir melhor que eles poderiam.

Um rato barbicano saiu,
hociquirromo de pernas longas,
e enrolando as costas grossas
disse ao senado romano,
depois de adorar por um tempo:

– Quem deve
quem deve ousar colocar
aquele chocalho no gato?

9. Borboleta, de Federico García Lorca

Borboleta de ar,
como você é linda,
borboleta de ar
dourada e verde.

Lâmpada,
borboleta de ar
fique aí, ali, ali! …
Fique aí!
Borboleta, você está aí?

10. Casais, de Gloria Fuertes

Cada abelha com seu parceiro
Cada pato com sua perna

Cada louco com seu tema
Cada tomo com sua tampa

Cada tipo com seu tipo.
Cada apito com sua flauta

Cada foco com seu selo
Cada prato com sua xícara

Cada rio com seu estuário
Cada gato com seu gato

Cada chuva com sua nuvem.

Toda nuvem com sua água.
Todo garoto com sua namorada.

Todo pinhão com seu abacaxi.
Toda noite com seu amanhecer.

11. O lagarto está chorando, por Federico García Lorca

O lagarto está chorando
O lagarto está chorando

O lagarto e o lagarto
com aventais brancos.

Eles perderam inadvertidamente
anel de noivado.

Oh, seu pequeno anel de chumbo,
oh, seu pequeno anel de chumbo!

Um grande céu sem pessoas
monta os pássaros em seu balão.

O sol, Capitão redondo,
usa colete de cetim.

Olha quantos anos eles têm!
Quantos anos os lagartos têm!

Oh, como eles choram e choram,
infelizmente! !, como eles estão chorando.

12. A vaca estudiosa, de María Elena Walsh.

Era uma vez uma vaca
na Quebrada de Humahuaca.
Desde que ela era muito velha, muito velha,
ela era surda em um ouvido.

AND apesar de já ser avó
um dia queria ir à escola.
Colocou sapatos vermelhos,
luvas de tule e um par de óculos.

A professora assustada a viu
e disse: – Você está errado.
E a vaca respondeu:
Por que não posso estudar?

A vaca, vestida de branco,
se acomodou no primeiro banco.
Os meninos jogaram giz
e morremos de rir.

As pessoas ficaram muito curiosas
ao ver a vaca prisioneira.
As pessoas vieram em caminhões,
em bicicletas e em aviões.

E quando o leitão aumentou
na escola, ninguém estudou.
A vaca, parada em um canto,
ruminando a lição sozinha.

Um dia, todos os meninos
se tornaram em burros.
E naquele lugar de Humahuacala
a única pessoa sábia era a vaca.