Hoje quase todas as casas na Espanha têm uma árvore de Natal como símbolo dessas comemorações. É uma das decorações essenciais, à volta da qual a família se reúne para desfrutar do Natal e criar memórias maravilhosas. Tradição que ganha força especial em lares com crianças, onde a árvore de Natal também está relacionada com presentes e surpresas visto que é o local onde o Pai Natal ou os Reis Magos costumam deixar as prendas para os mais pequenos de casa. No entanto, a verdade é que poucos sabem de onde vem esta antiga tradição e qual a sua história.

De onde vem a ideia da árvore de Natal?

Você sabia que desde tempos imemoriais, a árvore tem sido considerada um símbolo de fertilidade e renovação? De facto, quando ainda não existia a árvore de Natal, os romanos pagãos tinham a tradição de pendurar louros nas portas das suas casas e os celtas decoravam os carvalhos com fruta e velas durante os solstícios de inverno como forma de reavivar a árvore e garantir sua renovação e o retorno do sol na primavera. Porém, só muito mais tarde é que surgiu a ideia da árvore de Natal.

Reza a lenda que no século VIII existia um carvalho dedicado a Thor, o deus do trovão e da força na mitologia nórdica e germânica, na região de Hesse, no centro da Alemanha. Todos os anos, os habitantes da região ofereciam um sacrifício a ele durante o solstício de inverno. Porém, um dia chegou à região o missionário São Bonifácio, que, diante do olhar espantado dos moradores, cortou a árvore e, após a leitura do Evangelho, plantou um abeto como símbolo de paz e vida eterna, pois suas folhas foram sempre ali, verde enquanto seu vidro apontava para o céu.

A árvore foi decorada com maçãs e velas. Maçãs como símbolo do pecado original e tentações e velas representando a luz de Jesus Cristo. A partir de então, os abetos começaram a ser derrubados durante o Natal e, por alguma estranha razão, começaram a ser pendurados nos telhados. De fato, conta-se que o teólogo Martinho Lutero certa vez colocou velas nos galhos de uma árvore de Natal para ver como brilhavam na noite escura de inverno.

Outra versão afirma que a ideia surgiu quando a primeira árvore de Natal foi erguida em praça pública. O mérito é disputado por duas cidades bálticas, Tallinn, na Estônia, e Riga, na Letônia. Comerciantes locais teriam tomado a decisão de colocar um abeto na praça do mercado de Riga e decorá-lo com rosas artificiais enquanto dançavam ao redor dele antes de finalmente incendiá-lo. O acontecimento, em vez de causar consternação entre os locais, desencadeou o costume de acender os abetos para coincidir com o Natal.

Com o passar do tempo, Diante da impossibilidade de erradicar esses costumes pagãos, o cristianismo adotou e transformou essa tradição tornando-a um símbolo do Natal e do nascimento do menino Jesus, significado com o qual sobreviveu até hoje.

Quando a árvore de Natal se tornou um símbolo dessas festividades na Espanha?

O estabelecimento da tradição da árvore de Natal não chegou a todos os países europeus ao mesmo tempo. Acredita-se que o primeiro país onde foi estabelecido foi na Alemanha, em 1605, onde foi implantado pela primeira vez para criar um ambiente mais quente durante o frio rigoroso do Natal. Muito mais tarde, em 1800, essa tradição chegou à Finlândia e só em 1829 chegou à Inglaterra. Porém, na Espanha tivemos que esperar pouco mais de 40 anos para começar a desfrutar dessa tradição.

Você sabia que quem estabeleceu o costume da árvore de Natal na Espanha era de origem russa? Devemos o crédito a Sofía Troubetzkoy, uma princesa que, depois de ficar viúva do duque de Morny, meio-irmão de Napoleão, contraiu um segundo casamento com o aristocrata espanhol José Osorio y Silva, marquês de Alcañices. No primeiro Natal que passaram juntos no Palácio de Alcañices, hoje Banco de Espanha, em Madrid, em 1870, Sofía Troubetzkoy pediu para colocar um abeto decorado para dar um toque personalizado à sua nova casa.

Assim, foi introduzida esta tradição que, ao longo do tempo, transformou as maçãs e as velas em candeeiros, esferas e outras decorações e tornou-se a cama onde todos os Natais os mais pequenos em casa vêm abrir as suas prendas e descobrir as surpresas que aí os esperam.

A árvore de Natal, um símbolo do cristianismo

Hoje, a maioria das pessoas não para para refletir sobre o significado da árvore de Natal e sua decoração. No entanto, a verdade é que, quando foi introduzido em Espanha, este antigo símbolo pagão rapidamente assumiu um novo significado. A própria árvore evoca a árvore do paraíso, cujos frutos Adão e Eva comeram e onde surgiu o pecado original, mas também lembra a árvore da vida eterna, graças às suas folhas perenes. Sua forma triangular não apenas aponta para o céu, mas também representa a Santíssima Trindade.

Da mesma maneira, a decoração clássica da árvore tem um significado religioso especial. A estrela que costuma coroar representa a fé que norteia a vida do cristão, ao mesmo tempo que lembra a estrela de Belém. Da mesma forma, as bolas esféricas simbolizam as maçãs com as quais São Bonifácio adornou a árvore, por isso representam tentações, embora também se acredite que simbolizem os dons que Deus deu aos homens. Por seu lado, as luzes que substituíram as velhas velas representam a luz de Cristo, enquanto os laços são um símbolo para demonstrar a união das famílias e dos entes queridos.

Assim, todos os anos, milhões de famílias na Espanha e no mundo se comprometem a procurar enfeites para sua árvore de Natal para dar forma a um símbolo que, além de sua história e significado religioso, seja o ponto de encontro familiar no Natal e de boas-vindas aos Três Reis Magos todo dia 6 de janeiro.