Nancy Hauck, de Utah, está grávida de seu neto aos 56 anos, sendo o útero emprestado para seu filho e nora.

Assim como você lê-lo! Essa mulher de 56 anos decidiu emprestar seu ventre ao filho para que ele pudesse ter um bebê, já que sua esposa não conseguia conceber.

Nancy Hauck, natural de Utah, Estados Unidos, está fazendo um dos gestos mais nobres (e controversos) que conhecemos há muito tempo: empreste sua barriga para carregar o embrião fertilizado de seu filho e nora.

Apesar de não estar na idade ideal para engravidar, Nancy resolveu tentar ajudar seu filho e sua esposa para alcançar a família que tanto sonharam e até agora, a gravidez progride sem problemas sem complicações.

“Nunca imaginei que estaria grávida aos 56 anos ou que isso seria possível, mas é o mais bonito”Nancy disse ao Daily Mail.

A esposa de seu filho teve que passar por uma histerectomia por motivos de saúde, então Nancy se ofereceu para ser aquele útero no qual o filho que eles tanto desejavam poderia se desenvolver.

Após vários estudos, os médicos confirmaram sua saúde e Nancy começou a tratamento hormonal em janeiro de 2022, injetando-se todos os dias por 12 semanas com a ajuda de seu marido, 59. Um mês depois, o embrião fertilizado foi transferido para o útero, onde continuou a crescer desde então.

Nancy não estava grávida há 26 anos, mas disse que a experiência foi incrível: “Me sinto muito poderosa carregando a filha do meu filho” disse a mãe se preparando para dar à luz seu próprio neto.

Riscos de ser mãe depois dos 35

Quanto maior o risco (em alguns casos), mais cuidadosa é a gravidez:

– Aumento do risco de anomalias cromossômicas.
– Até 50% de chance de parto por cesariana.
– Risco de aborto.
– Risco de hipertensão e diabetes gestacional.
– Maior probabilidade de parto prematuro e bebês com baixo peso ao nascer.

Se esta nota lhe interessou, leia também: Mensagem de Cameron Diaz para mulheres de 40 anos que querem um bebê

Vantagens de ser mãe depois dos 35 anos

-A idade cronológica da mulher nem sempre condiciona a sua idade biológica. Os órgãos e a saúde que suportam a gravidez podem estar em condições muito favoráveis ​​para a gravidez, independentemente da idade.

-Na maioria das mulheres, a consciência corporal é maior e elas podem detectar quaisquer sintomas, alterações e conversar sobre isso com confiança com seu profissional de saúde.

– A medicina e a prática clínica têm cada vez mais avanços na assistência obstétrica e ginecológica e na reprodução assistida, para que o pré-natal e o nascimento do bebê sejam seguros.

-Você adquiriu mais maturidade e paciência para entender e aceitar os ajustes em sua vida, em seu corpo e em seu modo de vida.

-Você deve ser menos preocupado com sua situação financeira e que se sinta satisfeito em alguns aspectos já realizados: emprego, viagens, relações pessoais mais estáveis, etc.

O importante é que NÃO deixe sua idade jogar contra você, se seu corpo, sua saúde, sua energia e sua fertilidade lhe permitem (além do seu desejo), ter um bebê; informe-se, prepare-se e divirta-se. Sempre haverá opiniões e julgamentos externos, não abra espaço para isso se não te agregar.

A maternidade em qualquer idade exige responsabilidade, dedicação, decisões, noites agitadas, algumas preocupações, tantos sustos, milhares de satisfações, aprendizados constantes, muita resiliência e altos e baixos.

Todos nos cansamos, todos nos frustramos, todos cometemos erros. É normal. E a cada dia é mais normal também serem mães mais velhas. Não são corridas, não são competições; a expectativa de vida também é maior hoje. A ciência faz descobertas úteis e incríveis de tempos em tempos. São muitas as referências que você pode seguir, informações positivas e bem fundamentadas. Converse com seu médico, teça sua rede de apoio: um bebê é esperançoso de várias maneiras, é uma nova vida. Não adote estereótipos que não correspondem a você; a idade hoje limita menos, pelo contrário; oferece novas oportunidades; Ser mãe não é a mesma coisa de anos atrás porque tudo muda e você tem que tirar o melhor disso.

Estimulação pré-natal: Como estimular meu bebê no útero?