Gritar, apesar de parecer o contrário, não ajuda em nada na criação dos filhos. Uma criança com quem sempre gritam desenvolverá uma personalidade agressiva para com outras crianças ou, pelo contrário, pode acabar por ser uma pessoa submissa e facilmente manipulável tanto na adolescência como na idade adulta. Além das consequências psicológicas do grito, essa prática também interfere no bom funcionamento da família. Assim, é fundamental aprender a se comunicar com as crianças de forma assertiva e estabelecer limites claros desde muito cedo.

Chora em casa: o que nos leva a esta situação?

Normalmente, quando há gritaria em casa, é porque os pais buscam nas crianças um comportamento ao qual resistem. Quando ocorrem situações estressantes na família, é quase impossível lidar com elas sem recorrer aos gritos: é uma reação humana das mais naturais, embora isso não signifique que ajude a melhorar determinada situação.

Como evitar gritar em casa?

Os pais estão submetidos às situações mais estressantes, o que pode interferir diretamente na forma como nos relacionamos com nossos filhos. É fácil, em certas ocasiões, acabar gritando com as crianças, o que não melhora as relações familiares, muito pelo contrário: incentiva um distanciamento que não beneficia nenhuma das partes. Para evitar esses conflitos e o empobrecimento dos laços familiares, existe uma série de técnicas que podemos colocar em prática nessas situações:

tempo para reflexão

Reservar um tempo para se acalmar antes de reagir nos permitirá nos acalmar e abordar a situação com calma e tranquilidade. Portanto, quando nos sentimos zangados ou estressados, devemos tirar alguns minutos para respirar fundo e relaxar antes de falar com as crianças.

Use um tom de voz mais baixo e calmo

Quanto mais gritarmos, mais rejeição encontraremos em nossos filhos. Portanto, podemos tentar falar em voz baixa e suave, mesmo que você esteja tentando enfatizar um ponto importante. Manter a calma é essencial para lidar com qualquer problema e poder vê-lo de diferentes pontos de vista.

use empatia

A empatia é peça fundamental na hora de reduzir a gritaria em casa. Às vezes, os pais não levam a sério o que os filhos nos contam ou não dão a importância que merecem. Nesse sentido, colocar-se no lugar deles nos oferecerá uma perspectiva muito diferente, entenderemos melhor a criança e poderemos nos relacionar com ela de maneira muito mais eficaz.

Pratique a comunicação assertiva

A comunicação é o pilar fundamental da família. É importante, portanto, aprender a se comunicar de forma aberta e sincera e sempre com calma. Podemos expressar nossos sentimentos de forma clara e direta, sem cair na gritaria e na imposição. Da mesma forma, devemos ensinar a criança a se comunicar sem ter que recorrer aos gritos, algo para o qual devemos ser um exemplo.

Defina limites claros e consistentes

Os limites devem estar presentes na vida da criança desde o início. Estes devem ser claros e as crianças devem conhecê-los, bem como as consequências do seu não cumprimento. Também, devemos ser consistentes e manter limites tanto em casa quanto no exterior.

Procure apoio e ajuda, se necessário

Há momentos na vida em que tudo nos parece um mundo e pode nos levar a agir de maneiras pouco lógicas ou colaborativas. Nesses momentos, em que nos sentimos no limite, buscar um bom apoio é de grande ajuda. Podemos nos refugiar em nosso parceiro, em nossos pais ou até buscar ajuda profissional que nos permita lidar com o estresse ou outros sentimentos de maneira mais eficaz.


regras familiares

As regras familiares também devem ser claras e todos os membros devem respeitá-las. Não podemos esperar que uma criança obedeça se os pais, ou irmãos mais velhos, não forem exemplos ou não estiverem sujeitos às mesmas regras. Por isso, é importante refletir muito bem antes de estabelecer o funcionamento da família.

Analise o ambiente da criança

Quando encontramos uma criança desafiadora, é sempre interessante observar seu ambiente. As influências que nossos filhos recebem não vêm apenas de casa, em vez disso, eles podem vir da escola ou de outros ambientes. Por isso, quando nos vemos gritando várias vezes com crianças pelo mesmo motivo ou pelo mesmo comportamento, devemos analisar quem pode estar influenciando, ou promovendo, esse comportamento.

Atividades desportivas

Praticar esportes é essencial para melhorar a saúde, tanto física quanto mental. Nesse sentido, adicionar um pouco de esporte às nossas rotinas pode nos ajudar a lidar melhor com essas situações estressantes. Da mesma forma, podemos praticar esportes em família, o que nos permitirá Fortalecer os laços com as crianças.

crianças desafiadoras

Na parentalidade há sempre momentos em que os filhos não vão querer cumprir as regras e os pais devem reforçá-los para conseguir uma mudança no seu comportamento. No entanto, essas situações específicas nada têm a ver com uma criança com uma personalidade desafiadora. Se suspeitarmos que pode ser esse o caso, o melhor a fazer é consultar um terapeuta profissional.

O grito, embora não pareça, está incluído nas práticas consideradas abusivas e não apenas na educação infantil. Embora seja uma reação mais humana, as consequências afetam a auto-estima das crianças. Gerar uma situação de desigualdade por meio do grito não apenas favorecerá o enfraquecimento dos laços familiares, mas também alterará a saúde da família em geral.