Nossos filhos são pequenos exploradores que adoram experimentar coisas novas, experimentar, e isso é algo pelo qual todos nós já passamos. Na verdade, se começássemos a procurar por crianças que nunca se meteram em travessuras, logo perceberíamos como isso é impossível. Quer gostemos de admitir ou não, também fomos travessos durante nossa infância e nossos pais são testemunhas disso. pergunte a eles…

Por que somos travessos (em maior ou menor grau) quando crianças?

Se existe uma habilidade inata que todos possuímos desde o momento do nascimento, é ser curioso. À medida que crescemos, nossas experiências nutrem nossa personalidade e aprendemos. Esse aprendizado é o que nos faz desenvolver algumas habilidades ou outras, nos deixa mais calmos, etc. Porém, nossos pequenos não têm esse desenvolvimento: estão no momento de formar seu aprendizado e isso só se aprende “tentando”. Por esta necessidade exploratória, aprender, é por isso que os membros mais jovens da família costumam se meter em travessuras: por isso, sempre se diz que não devemos tomar essas pequenas ações como algo pessoal, como um problema de comportamento, etc. No entanto, eles têm algo a nos dizer…

O que indicam as travessuras dos pequenos da família?

Nossos filhos podem se meter em travessuras por muitas razões diferentes. Uma das principais, como já dissemos, é a vontade de explorar, aprender e descobrir este mundo que os rodeia, um mundo novo para eles. Por isso, devemos estar muito atentos a eles, pois buscam apenas satisfazer sua curiosidade sem levar em conta o perigo que suas ações podem representar para eles. No entanto, existem outras razões pelas quais nossos filhos podem se meter em travessuras:

Eles tentam chamar a atenção dos adultos

Não é que não prestemos atenção aos nossos filhos, mas eles podem preciso mais dessa atenção do que outras crianças por causa de sua personalidade. Por isso, os pequenos podem nos deixar de cabeça para baixo em mais de uma ocasião: eles querem nos ter por perto e sabem que “comportando-se regularmente”, estaremos em cima deles.

Mudanças nas fases de desenvolvimento

O desenvolvimento infantil passa por inúmeras fases, cada uma delas intimamente ligada às mudanças no ambiente. Assim, uma criança que terminou com comportamentos desobedientes pode recomeçar com eles quando, por exemplo, começar na escola. Esse mudança de ambiente pode causar ansiedade nele, o que favorece essa necessidade de explorar, de ter os pais ao seu lado, etc.

Tédio

A chave das chaves: nossos filhos podem ser muito travessos por tédio, por falta de estímulos. Isso não significa que os pais não estejam ao seu lado ou lhes dêem experiências, mas que há crianças que precisam mais do que outras: precisam aprender mais, ser mais ativas. Nesse caso, podemos reduzir esses comportamentos dando a eles algo que os faça se concentrar, algo que eles gostem, os motive e atraia sua atenção.

O personagem da criança

É a peça que nos faltava e, em muitas ocasiões, a mais relevante: cada criança é diferente e isso é perceptível na interação com o mundo exterior, com as pessoas que fazem parte da sua vida, etc. E, claro, podem ser mais ou menos nervosos, mais ou menos travessos,… Quando às vezes sentimos que não aguentamos mais essas travessuras diárias dos pequenos da família, devemos ter em mente que esta é uma fase que vai terminar. Portanto, mesmo que nos custe, devemos aprender a apreciá-lo: com o tempo, a maioria das travessuras dos mais pequenos serão anedotas que gostaríamos de recordar, e fá-lo-emos com um grande sorriso na cara. .

Quando são mais que brincadeiras infantis…

Agora sabemos que esses comportamentos são normais dependendo da idade, do estágio evolutivo de nossos filhos e de sua personalidade. Mas há alguma razão para que esses comportamentos exijam atenção especial?

A verdade é que sim e cabe aos pais avaliar até que ponto as travessuras dos mais pequenos são meras formas de explorar o mundo ou chamar a atenção e quando podem ser motivo de consulta a especialistas. Assim, pode-se dizer que a travessura deixará de ser “normal” quando você estiver interferem no seu dia a dia, no ambiente familiar e quando persistem ao longo de sua criação sem cessar entre as fases.

Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH)

Há muitos transtornos de ansiedade e hiperatividade diagnosticados diariamente, cujas causas podem ser muito diversas. No entanto, um dos mais frequentes é o Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade.

A criança com TDAH caracteriza-se por ser extremamente hiperativa, com dificuldade de concentração e foco. No entanto, também existem casos em que pode ocorrer desatenção e, mesmo assim, a criança não apresentar sinais de hiperatividade. Seja como for, se podemos reconhecer alguma das seguintes características em nossos filhos, é melhor nos colocarmos nas mãos de especialistas, pois são eles que podem nos dizer se os sintomas são representativos de um distúrbio ou não:

  • Dificuldades em seguir as regras
  • problemas de organização
  • distrações constantes
  • Dificuldade em ficar parado
  • Movimentos excessivos dos pés e das mãos
  • Interrupções constantes nas conversas
  • Não consegue manter atividades silenciosas
  • Esquece tarefas e rotinas diárias

Essas são apenas algumas das características desse transtorno e, caso a criança apresente várias delas sustentadas ao longo do tempo, é fundamental buscar orientação de um especialista. Através de pequenos exames e exames, esse especialista pode indicar a necessidade de tratamento e acompanhamento ou se, ao contrário, é prudente esperar para ver como a criança se desenvolve.

As travessuras dos nossos pequeninos são mais do que naturais: são uma forma de explorar o mundo, de chamar nossa atenção e, afinal, de aprender. Portanto, não é necessário punir constantemente a criança, mas estabelecer limites pode ser suficiente para reduzir esses comportamentos. Seja como for, nem todos eles constituem a base de um distúrbio, por isso são os pais que devem avaliar esses pequenos comportamentos e determinar se podem ser prejudiciais aos nossos pequenos.