Foi anunciado recentemente que a seção 9 do Coordenador Nacional de Trabalhadores da Educação, CNTE, rejeita o modelo híbrido proposto pelo SEP, uma vez que é considerado um modelo que discrimina e exclui estudantes com pouco acesso à tecnologia. Internet.

Por que o CNTE rejeita o modelo híbrido proposto pelo SEP?

Assim, na penúltima semana de julho de 2020, o SEP anunciou que o retorno presencial em agosto foi descartado e antecipou a criação de um Modelo de classe híbrida, que envolve aulas presenciais e a distância.

No entanto, o CNTE fez uma crítica, pois afirma que o SEP não forneceu um protocolo funcional que ofereça garantias de segurança ocupacional, física, emocional e de saúde para comunidades educacionais, mesmo aquelas que fazem parte da população com deficiência ou com diferentes condições de vida.

Além disso: o SEP exclui o retorno presencial em agosto e antecipa um modelo de classe híbrido [19659006] O CNTE rejeita o modelo híbrido proposto pelo SEP e, em vista disso, as autoridades indicaram que “a virtualização das medidas educacionais é insuficiente para responder às necessidades impostas pela crise da saúde; Não concordamos com a educação virtual e a distância, que com a denominação de híbrido que pretendem impor nas próximas semanas.

“As características da maioria dos meninos e meninas não correspondem aos métodos de trabalho à distância e nenhum Dessa forma, substitui o trabalho em sala de aula nas escolas, pela interação entre professores e alunos. ”

Revisão: Datas e requisitos para inscrição extemporânea no CDMX

Foi afirmado que, além de os alunos terem complicações com a adoção Como método remoto, grande parte da profissão de professor também não foi capaz de realizar seu trabalho em ótimas condições, pois nem todos possuíam equipamentos de informática adequados ou pouco acesso à Internet.

«A virtualização e a digitalização da educação são discriminatórias exclusivo, reafirmando-se na demanda pela contratação de pessoal necessário para todas as escolas, reabertura do turno da noite e redução de e alunos por grupo, a fim de reduzir o risco de contágio devido à aglomeração de pessoas ", afirmou o CNTE.

Artigo original: milenio.com