Em uma sociedade que prioriza o imediatismo e a gratificação instantânea, as crianças dificilmente têm tempo para descobrir suas emoções e se conectar com elas mesmas. Assim, acabam se tornando adultos que não sabem administrar seus sentimentos e têm dificuldade de desfrutar plenamente o ambiente. Por isso, se queremos educar crianças felizes, com autoestima saudável e emocionalmente equilibrada, é importante ensiná-las a se conectar com elas mesmas. E nada melhor para conseguir isso do que através da meditação!

O que é meditação?

A meditação é uma prática mental e espiritual que existe há milhares de anos, embora só recentemente o mundo ocidental tenha começado a redescobrir sua benefícios. Basicamente, é sobre um estado de atenção plena, seja sobre um objeto externo, pensamento, respiração ou autoconcentração, cujo objetivo principal é promover uma consciência do aqui e agora.

existem diferentes tipos de meditação, a maioria das técnicas enfoca o estado emocional e o autocontrole. Seu objetivo é atingir um estado de consciência sobre o que é percebido e sentido no presente. No campo da psicologia, a meditação também se concentra em aumentar a compreensão dos processos psíquicos internos, como pensamento, atenção e emoções, como um recurso para promover o autoconhecimento.

Os benefícios da meditação para crianças

Aprendendo a meditar é um exercício ideal para ajudar as crianças a descobrir suas emoções e aprender sobre seus sentimentos. Essa técnica simples também os ajuda a liberar o excesso de tensão e mantém a ansiedade sob controle. Na verdade, sua prática regular incentiva emoções positivas e favorece um estado de calma interior. Além disso, é um excelente exercício para estimular a inteligência emocional.

Meditar também é um bom recurso para aumentar o autocontrole, reduzir o estresse e promover a empatia, por isso é recomendado para crianças que sofrem de oposição transtorno desafiador ou ter comportamentos agressivos. Uma pesquisa conduzida por psicólogos na Universidade de Chicago envolvendo mais de 270.000 crianças de 213 escolas onde programas de meditação foram implementados revelou que esta prática melhorava as habilidades sociais e emocionais das crianças.

No entanto, a meditação não é apenas uma prática para acalmar as crianças e ensine-os a regular suas emoções, mas também tem implicações em seu desenvolvimento cognitivo. Você sabia que as crianças que praticam meditação têm mais atenção concentrada e se concentram melhor na conclusão de tarefas? Na verdade, a meditação é uma excelente ferramenta para aliviar os sintomas de baixa concentração e hiperatividade em crianças com TDAH, conforme revelado por um estudo realizado na Universidade de Udine.

Em grande parte, isso se deve a as mudanças geradas pela meditação no nível do cérebro, especialmente nas regiões relacionadas ao processamento da informação sensorial, pensamento e tomada de decisão. Isso foi corroborado por um estudo realizado na Universidade de Harvard no qual foi descoberto que quando a meditação é praticada, há um ligeiro espessamento em algumas áreas do córtex cerebral, especialmente naquelas relacionadas à regulação emocional, memória e aprendizagem.

Isso significa que algumas áreas do cérebro se desenvolvem mais rápido enquanto você medita, o que não apenas estimula a maturação do cérebro das crianças, mas também as ajuda a aprender mais rápido e melhor. Portanto, não é surpreendente que as crianças que aprendem a meditar tenham melhor desempenho acadêmico e desenvolvam estratégias de aprendizagem mais eficazes.

Cinco passos principais para ensinar seus filhos a meditar

1. Comece com a respiração

Aprender a regular a respiração é a chave em qualquer prática de meditação, por isso deve ser a primeira coisa que você ensina às crianças. Peça-lhes que inspirem lentamente, inspirando pelo nariz e expirando pela boca. Para facilitar para eles, você pode recomendar que coloquem a mão na barriga para que possam sentir como ela infla e esvazia a cada respiração. É provável que no início seja difícil para eles, mas à medida que ganham habilidades, eles aprenderão a regular a respiração com facilidade.

2. Postura correta

A postura é outro fator importante que as crianças devem controlar ao meditar. O ideal é meditar sentado no chão, com as costas retas, a cabeça erguida, as pernas cruzadas mas não sobrepostas e as mãos sobre os joelhos. No entanto, é natural que as crianças tenham dificuldade em manter essa postura por muito tempo, portanto, você deve ser flexível a esse respeito. No final, o importante é que seus filhos se sintam confortáveis ​​ao praticar a meditação.

3. Use objetos externos

Focar a atenção na respiração ou nos estímulos sensoriais pode ser muito difícil para as crianças, especialmente se estiverem dando os primeiros passos na prática da meditação. Uma boa alternativa para ajudá-los a focalizar sua atenção e evitar serem distraídos por estímulos ambientais é pedir-lhes que focalizem um objeto. Pode ser uma pedra, um vaso ou um desenho, a ideia é que os mais pequenos focalizem a atenção naquele objeto por pelo menos 5 minutos. Quando eles são capazes de focalizar sua atenção em um objeto externo por 10 minutos ou mais, eles estarão prontos para se concentrar em suas próprias emoções e sensações.

4. Use sua imaginação

A meditação é um momento perfeito para ser criativo e deixar sua imaginação correr solta. Pense em uma bela paisagem e descreva-a para a criança, fazendo-a participar da experiência. Se for um ambiente marinho, descreva como a água quente do mar toca seus pés enquanto se for um ambiente de selva, você pode detalhar como as folhas das árvores roçam sua pele. Também faça com que ele perceba cheiros e outros estímulos que o ajudem a recriar o lugar e a imaginar que ele realmente está ali. Outros recursos igualmente eficazes são melodias relaxantes ou mantras.

5. Dê o exemplo

Não há melhor maneira de ensinar as crianças a meditar do que fazê-lo junto com elas. Portanto, se você deseja motivar seus filhos a meditar, sente-se com eles e mostre-lhes como fazê-lo. Pelo menos nas primeiras vezes, é importante que você descreva cada etapa para eles, pois é muito fácil perder detalhes importantes como postura ou respiração. Depois que as crianças tiverem dominado a técnica, limite-se a dar instruções mais específicas para que elas possam se concentrar sem distrações.