A dislexia é uma das dificuldades de aprendizagem mais comuns, caracterizada por problemas na leitura, escrita e ortografia. Ou seja, as crianças têm uma inteligência normal, porém, apresentam complicações quando lêem e/ou escrevem, porém, falam adequadamente e compreendem bem os conceitos, nem apresentam nenhuma alteração grave […]

A dislexia é uma das dificuldades de aprendizagem mais comuns, caracterizada por problemas na leitura, escrita e ortografia. Ou seja, as crianças têm uma inteligência normal, porém, apresentam complicações quando lêem e/ou escrevem, porém, falam adequadamente e compreendem bem os conceitos, nem apresentam nenhuma alteração grave em seu desenvolvimento.

Fatores de risco da dislexia

Segundo a Universidade de Yale, a dislexia é uma dificuldade comum na população mundial, suas estatísticas indicam que entre 9 a 15% das pessoas sofrem com isso. Além disso, não importa o país, idioma ou acesso à educação, a dislexia está presente globalmente.

A este respeito, a European Dyslexia Association especifica que esta dificuldade tem origem neurobiológica, uma vez que foram identificados fatores genéticos e ambientais que podem determinar a sua presença.

Fatores genéticos para desenvolver dislexia

• Tem histórico familiar, o que significa que um ou ambos os pais ou avós também têm dislexia
• Presença genética de dislexia. Foram identificados os seguintes genes: DYX1C1, DCDC2 e KIAA0319, entre outros.
• Problemas neuroanatômicos, de origem desconhecida, do cérebro.

Fatores ambientais na gravidez para desenvolver dislexia

• Exposição ao tabaco, álcool e drogas durante a gravidez.
• Baixo peso de nascimento

Fatores ambientais familiares para desenvolver dislexia

O ambiente familiar é um dos ambientes essenciais em que a criança adquire e consolida a aprendizagem integral (emocional, social e psicológica). Esse ambiente é influenciado por um grande número de fatores, que se relacionam e influenciam uns aos outros: como o clima emocional, a estrutura familiar e até mesmo os estilos educacionais, e um ambiente estimulante.

•Redução da exposição e do gosto pela aquisição do desenvolvimento da leitura.
• Baixa convivência e conversa em família.
• Repressão para que a criança se expresse: “criança não interrompe”, “criança não fala quando não é dita”, entre outras.

Eles são crianças inteligentes

Assim, a inteligência da criança está intacta, mas há impedimentos para o processamento fonológico adequado, habilidades de sequenciamento de palavras e sons, e também há impacto na memória de trabalho verbal (leitura).

Recomendamos que você leia: Meu filho não pronuncia bem o “ERRE”

Sinais de alerta de dislexia

Desde cedo, os primeiros sinais de dislexia podem ser observados na criança. No entanto, é na idade escolar que os professores o fazem com mais frequência. Entre os sinais mais comuns estão:

Em casa

1. Dificuldade em seguir as instruções
2. Problemas para lembrar palavras, letras e números
3. Esquecer as palavras e seu significado
4. Confundir sons de palavras

Na escola

1. Trabalho escrito confuso, com letras combinadas, grandes e pequenas.
2. Confunde letras que parecem semelhantes, principalmente b/d, p/g, p/q, n/u, m/w
3. Soletrei uma palavra de várias maneiras diferentes. Por exemplo: coco/koco/coquo
4. Má aderência do lápis
5. Usa sequências incomuns de letras ou palavras

procure ajuda

A dislexia não tem cura, pois não é uma doença. No entanto, existem terapeutas que podem ajudar a melhorar significativamente. As terapias irão ajudá-los a se sentirem mais confiantes na escola e dar-lhes as ferramentas para escrever sem dificuldade e, assim, funcionar adequadamente em ambientes escolares.

Bibliografia recomendada

Dislexia, uma forma diferente de ler
Autor: Maria Rufina
Compre aqui

O desafio da dislexia
Autor: Dr. Francisco Martínez
Compre aqui

O cérebro leitor
Autor: Dehaene Stanislas
Compre aqui

Dislexia infantil e como isso afeta a aprendizagem