Daniel Goleman, escritor e psicólogo, define a educação emocional infantil como “a capacidade de reconhecer os próprios sentimentos e os dos outros, de nos motivar e de gerir adequadamente os relacionamentos”. Assim, para alcançar uma vida plena, fica clara a necessidade de conseguir administrar emoções como raiva, tristeza e decepção, por exemplo. Nesse sentido, ensinar as crianças a identificar e administrar suas emoções desde cedo permitirá que elas se relacionem com seu ambiente de maneira mais eficaz.

Benefícios da educação emocional infantil

A educação emocional infantil traz grandes benefícios para a saúde e desenvolvimento das crianças:

  1. desenvolvimento integral da criança
  2. Capacidade de concentração
  3. Melhora a autoestima
  4. As relações sociais da criança (e na fase adulta) são mais saudáveis
  5. Fortalece a empatia e a autoconfiança
  6. Incentiva o pensamento analítico e de resolução de problemas

Além de todos os benefícios mencionados, também é importante observar que as emoções negativas trazem consequências para a saúde física, como dor de cabeça, fadiga e ansiedade. Se a criança for capaz de administrar corretamente suas emoções negativas, esses “efeitos colaterais” delas desaparecerão ou serão minimizados.

Como ajudar seu filho a expressar suas emoções?

o inteligência emocional, ou a capacidade de gerenciar emoções, não é uma habilidade inata, mas deve ser estimulada e treinada. Para isso, existe uma série de técnicas e recursos que os pais podem incluir no dia a dia dos mais pequenos da família:

verbalizar sentimentos

É importante ensinar as crianças a verbalizar os sentimentos e esta é uma pequena atividade que podemos acrescentar à nossa rotina diária. Sentar à mesa e perguntar à criança como foi a escola abrirá um canal de comunicação com o qual poderemos ver o que a criança sente. Assim, quando ele nos conta algo “negativo” sobre seu dia, podemos perguntar como ele se sentiu naquele momento e qual foi sua reação. A partir deste ponto, podemos ajudá-lo a identificar a emoção que sentiu, rotulá-la e oferecer-lhe ações alternativas para a próxima vez que sentir a mesma emoção.

Reconhecer diferentes tipos de emoções

Quando as crianças são pequenas, as emoções que predominam nelas são as mais básicas: raiva, medo, alegria, nojo, tristeza e surpresa. No entanto, à medida que envelhecem, seu cérebro amadurece e eles começam a sentir emoções compostas, como vergonha, frustração, ansiedade ou ciúme. Assim, é essencial ensinar a criança desde muito cedo a reconhecer as suas emoções, pois isso permitirá que você entenda por que se sente de determinada maneira e quais situações o levaram a se sentir assim. Uma vez que a criança seja capaz de reconhecer essas emoções, será muito mais fácil gerenciá-las.

Estabeleça rotinas diárias para o trabalho das emoções

Aprender a identificar emoções e verbalizá-las é algo que, como dissemos, deve ser treinado. Portanto, é interessante estabelecer um rotina diária em que as crianças podem dedicar alguns minutos a ela. Dentro dessa rotina, os pais podem utilizar diversas brincadeiras e técnicas, além de outros recursos como histórias infantis ou filmes.

Técnicas para melhorar a expressão e gestão emocional

Dentro da rotina diária de expressar emoções de que já falamos, podemos utilizar uma série de recursos para facilitar esse aprendizado para as crianças. Além disso, todas e cada uma dessas técnicas podem ser utilizadas a qualquer momento, para que o pequeno possa internalizá-las e aplicá-las quando achar necessário:

1. Técnica do Balão

A técnica do balão é uma “atividade” que as crianças gostam muito e, além disso, é uma grande ajuda quando elas ficam com raiva ou se sentem ansiosas.

Para realizar esta técnica, devemos pedir às crianças que imaginem que são como um balão. E, para melhorar essa visualização, podemos pedir que imaginem em uma determinada cor ou com alguma marca ou desenho. Este pequeno processo ajudará as crianças a relaxar, o primeiro passo para gerir a emoção.

Uma vez que a criança tenha a imagem em mente, devemos pedir-lhe que Respire fundo e imagine como seria um balão. Em seguida, ele deve segurar o ar e, aos poucos, soltá-lo até que o balão (ele mesmo) fique sem ar. Essas etapas podem ser repetidas quantas vezes a criança precisar.

2. Técnica do semáforo

Outra das técnicas utilizadas em termos de gestão emocional infantil é a do semáforo. Neste caso, os pais estarão ensinando as crianças três passos a seguir quando se deparam com uma situação que lhes causa raiva, medo ou raiva: degraus do semáforo.

O primeiro passo, aquele associado à cor vermelha, é o passo “stop”. O segundo passo, a cor amarela, corresponde à reflexão, à busca de soluções para liberar essa emoção negativa. E o terceiro passo, verde, corresponde à ação; ou seja, realizar a ação que a criança acredita que a ajudará a superar esse momento de raiva.

Além dessas duas técnicas, meditação e ioga Eles também trazem muitos benefícios para as crianças, especialmente quando se trata de identificar e agir sobre certas emoções. Da mesma forma, as histórias são grandes aliadas para as crianças na hora de descobrir e compreender o mundo das emoções.

Influenciar o trabalho de gestão emocional é fundamental para ajudar os mais pequenos no seu desenvolvimento cognitivo. As crianças não são apenas capazes de ter empatia com os outros, mas também demonstram melhor concentração ao estabelecer relacionamentos muito mais eficazes e saudáveis.