Todo dia 6 de janeiro, crianças de todo o mundo acordam com a esperança de descobrir o presente que os Três Reis Magos deixaram para elas debaixo da árvore de Natal. Na Espanha, a tradição começa um pouco mais cedo, a partir da tarde do dia 5 de janeiro, quando as crianças começam a se preparar para assistir ao Cortejo dos Reis Magos para receber Melchor, Gaspar e Baltasar. Em seguida, eles vão para a cama, mas mais de um deles tem dificuldade em adormecer, esperando que os reis passem em sua casa para deixar seu presente. No dia seguinte, eles sabem que uma surpresa os espera debaixo da árvore de Natal e que mais tarde poderão saborear um delicioso roscón de reyes.

É uma tradição cuja origem remonta à religião católica, mas que hoje transcende seus limites para se tornar um lindo costume familiar que cativa tanto crianças quanto pais. No entanto, a verdade é que apesar de ser uma festa que os mais pequenos adoram, há muitos que não conhecem a história dos Três Reis Magos. Por isso, se quiserem criar um ambiente ainda mais mágico à volta do Desfile dos Reis Magos, das prendas destes Reis do Oriente e do roscón, nada melhor do que contar-lhes a história “Os Três Reis do Oriente”. Aqui está uma versão desta história, simples mas muito bonita e adaptada para os mais pequenos de casa.

Conto infantil “Os Magos do Oriente”

Há muito tempo, viveram três reis muito poderosos e sábios, que viveram no Extremo Oriente: um deles na zona européia, outro na Ásia e o terceiro, no continente africano. Eles os chamavam de mágicos porque tinham muito conhecimento e também tinham algo em comum: a paixão pela astronomia. Tanto que faziam anotações constantes em seus cadernos sobre a posição das estrelas e de todos os planetas.

Um dia, os três reis descobriram, cada um por si, que havia uma estrela diferente, maior e mais brilhante no céu, que se localizava sobre a pequena cidade de Belém, na região da Palestina. Esta estrela estava ficando mais brilhante com o passar dos dias frios de inverno. Era o mês de dezembro, então os reis usaram todos os seus conhecimentos para descobrir o que aquela estrela fantástica queria indicar.

Recorriam a fórmulas e consultavam escritos muito antigos. E, no final, os três reis chegaram à mesma conclusão: a estrela indicava o nascimento do filho de Deus. Então, sem pensar duas vezes, juntaram tudo o que precisavam para partir e ir ao encontro do menino Jesus e dar-lhe um presente.

Assim, os Três Reis Magos deixaram seus países praticamente ao mesmo tempo, montados em três dromedários. O rei que estava deixando a Ásia era de meia-idade e seu nome era Gaspar. O rei que veio da parte mais fria da Europa era um pouco mais velho e chamava-se Melchor; e, finalmente, o mais jovem dos reis saiu de um país do continente africano e se chamou Baltasar.

Os três Reis Magos pensaram que eram os únicos que sabiam algo que o resto do povo não sabia: o filho de Deus estava para nascer! Portanto, sua surpresa foi grande quando se encontraram a caminho de Belém:

– Oh! Se não sou o único rei que vem ao encontro do menino Jesus! – Melchor disse atônito ao se encontrar no meio do caminho com os outros reis.

– Já somos dois surpresos! Gaspar comentou.

– Digamos três! – acrescentou Baltasar sorrindo.

– Bem, como nós três estamos indo na mesma direção, podemos ir juntos e assim tornar a estrada mais animada. Meu nome é Belchior. E agora pode cuidar de mim, já que sou o mais ‘velhinho’ de todos- riu Melchor, transmitindo seu bom humor.

– Não acredite, Melchor, eu também tenho a minha idade. Vejo que o mais novo aqui é o Baltasar, que também trouxe um presente fantástico para o menino Jesus”, disse Gaspar.

– Sim – respondeu então Baltasar – trago mirra, bem escasso e muito valorizado na minha terra.

“Estou trazendo para vocês um pouco de ouro, também muito valorizado em meu país”, disse então Melchor.

– E trago incenso da minha terra – disse Gaspar – É difícil de achar e tem um cheiro gostoso.

E foi assim que os três Reis Magos começaram a caminhar juntos rumo a Belém para encontrar o menino Deus. Depois de vários dias de caminho, os Magos se encontraram às portas de Belém. Era noite de 24 de dezembro e a estrela que eles seguiam graças a seus mapas do céu e seus instrumentos de medição começou a brilhar com grande intensidade. Todos podiam ver aquela estrela com total clareza.

– Ele já nasceu! O menino Deus nasceu! – Melchior disse alegremente.

– Verdade, a estrela indica isso claramente. Vamos acelerar a marcha para encontrá-lo o quanto antes – acrescentou Baltasar.

“E vamos dar a boa notícia a todos”, disse Gaspar ao ver que havia um grupo de pastores por perto.

Os reis, ao abordarem os pastores para lhes dar a notícia, descobriram que eles também sabiam e que para lá se dirigiam. Alguns anjos apareceram a eles para lhes dar a notícia. Estava claro: o menino Jesus acabara de nascer. Suas anotações, seus estudos e seus dados estavam corretos.

Os Magos foram a Belém. Não foi difícil para eles encontrar o lugar onde estava o menino Jesus: a estrela indicava claramente o caminho.

Vendo o pequenino naquela humilde manjedoura, envolto em palha e junto com seus pais, um boi e uma mula, não puderam conter a emoção: ajoelharam-se diante dele e começaram a adorá-lo. Aquele garotinho brilhava como uma estrela, mas parecia tão pequeno e humilde. Então, os Magos deram a ele seus presentes: ouro, incenso e mirra, presentes de reis para um rei.

Por fim, eles puderam encontrar o filho de Deus. E eles estavam ansiosos para voltar aos seus países para dar a notícia a todos.