Bochechas esfregadas acompanhadas de piscar contínuo, essas são as características do bebê que sofre da doença do “menino bonito”.

É comum acreditar que um bebê ou criança com bochechas rosadas e gordinhas que também pisca constantemente os olhos é uma criança bonita e sedutora. No entanto, estes podem ser os sintomas de uma doença dermatológica que geralmente é diagnosticada em estágios muito iniciais, explica o dermatologista pediátrico Yuri Igor López Carrera, presidente da Academia Puebla de Dermatologia.

A doença do “menino bonito”

Os médicos de antigamente (há 20 ou 30 anos) diagnosticavam a “doença do menino bonito” quando um pequeno vinha ao seu consultório, em 50% dos casos ele tinha menos de 2 anos, com as bochechas vermelhas, alguns até tinham a pele com temperatura alta, e olhos um tanto vidrados, que faziam o pequeno piscar constantemente.

Atualmente, a doença não é mais chamada assim, hoje é conhecida como dermatite atópica infantil caracterizada por:

-Vermelhidão das bochechas.
-Coceira intensa nas áreas vermelhas.
-Pele esticada com a presença de pequenas protuberâncias que podem ser cobertas por uma crosta e vazar fluido quando coçadas.
-Olhos marejados pelo desconforto no rosto.
-Piscando constantemente.

Segundo o Dr. López Carrera, Professor de Graduação da Universidade Anahuac de Puebla, A dermatite atópica infantil sem tratamento adequado começará a gerar vermelhidão em outras áreas do corpo: atrás dos joelhos, atrás dos cotovelos e orelhas e até no couro cabeludo.

“Quando a criança começa a crescer, as lesões também se espalham e, sem tratamento adequado, podem até sangrar pela coceira que as próprias crianças fazem e que os pais podem confundir com uma infecção”, disse. especifica López Carrera, entrevistado exclusivamente para o Bbmundo.

Não é uma infecção

A dermatite atópica infantil não é uma infecção, por isso “Nunca use antibióticos ou medicamentos que causem mais danos à pele. O ideal é ir ao médico para fazer um tratamento tópico após uma avaliação minuciosa do paciente.

Além disso, é importante saber que “A pele dos lactentes tem uma disfunção da barreira cutânea devido a sua imaturidade na produção de lipídios que protegem a derme, e por não ter aquela ‘gordura natural’ há maior perda de água e, portanto, ressecamento e rachaduras. Além disso, se os pais cobrirem muito o bebê, ele vai suar e perder mais água do que a pele precisa”, explica a entrevistada, especialista em Imunologia e Genética em Dermatologia Pediátrica.

Recomendamos que leia: Tudo sobre pele seca, muito seca e/ou com tendência atópica

De onde vem a doença do “menino bonito”?

Segundo o dermatologista pediátrico López Carrera, a dermatite atópica infantil está presente em crianças que também podem ter asma e vários tipos de alergias. “São crianças imunologicamente mais sensíveis e, portanto, sua pele reage exageradamente.”

O mais importante é “Leve o bebê ao pediatra, e não coloque nenhum remédio caseiro que possa gerar uma inflação mais grave; o dermatologista vai ser quem vai ajudar a melhorar a qualidade da pele, evitar inflamações e também o seu espessamento”, as necessidades do especialista.

5 dicas para cuidar da pele do seu bebê

A pele do bebé é muito frágil e por isso é necessário:

1. Evite colocar cremes com perfumes, corantes e outros produtos químicos.
2. Lave a pele com um substituto de sabão
3. Evite esfregar ou esfregar a pele
4. Hidrate a pele com produtos recomendados pelo dermatologista
5. Nunca coloque remédios caseiros como: óleos, vitaminas, ervas ou pós.

Produtos que o bbmundo recomenda:

1. Dermalibour+ Creme Barreira Isolante Reparador, Pele Irritada porque acalma e promove a reparação epidérmica da pele irritada e fragilizada.
COMPRE AQUI

2. Linha Dexeryl desenvolvida para o cuidado da pele sensível e seca
Compre aqui

Meu bebê não consegue fazer cocô: 3 razões para constipação em bebês

As primeiras doenças dos bebês