A Associação Espanhola de Pediatria (AEP) comemora hoje, pelo quinto ano consecutivo, o Dia da Pediatria no qual, sob o lema "Orgulhoso ser pediatra" quer destacar a qualidade do Além disso, o dia vai enfatizar a importância da promoção e prevenção da saúde infantil como o meio mais eficaz para prevenir doenças. "Com este objetivo , do AEP estamos lançando uma plataforma específica de proteção e promoção da saúde para adolescentes, que entendemos como prioridade na sociedade em que vivemos hoje com hábitos não saudáveis, sedentarismo, dietas desequilibradas, com Substância tóxica em idade precoce (álcool, tabaco, drogas), dependência de novas tecnologias, violência, fracasso escolar … para toda essa população de menores ", explica a Dra. María José Mellado, presidente da AEP.

aspectos fundamentais do dia serão o reconhecimento do reconhecimento de áreas específicas de treinamento pediátrico (ACEs) . "A pediatria não deve ser incluída em fundos médicos e deve ser considerada uma especialidade específica e independente em suas áreas de treinamento multidisciplinar "Defende o Dr. Mellado. Por sua parte, o Dr. Juan Ruiz-Canela, vice-presidente de Atenção Primária da AEP e coordenador do Dia P, disse que é essencial reconhecer os ACEs e que "iniciam os processos de criação de algumas especialidades e concluem aqueles que já começaram. Como, por exemplo, a criação da especialidade de Psiquiatria da Criança e do Adolescente que está em revisão desde março de 2018. "

Por outro lado, a AEP quer reconhecer o trabalho desenvolvido pela Fundação Atresmedia com o Prêmio "Saúde e Qualidade" por seu projeto de humanização em hospitais infantis. Segundo o Dr. Ruiz-Canela, a humanização da assistência passa para garantir que as crianças tenham uma estadia hospitalar agradável, "mais amigável e mais humano. Uma humanização que não é possível se não houver direito à assistência médica de qualidade, independentemente de onde você mora. Uma criança, ao entrar em um ambiente hospitalar, precisa estar cercada pelo ambiente mais amigável possível, no qual a decoração, a enfermaria, o uniforme do profissional de saúde, as salas de espera, … todos geram esse clima. É desnecessário dizer que tem o direito de crianças de 14 a 17 anos serem hospitalizadas em pediatria e não em plantas adultas. Todas as ações devem ter como objetivo proporcionar um ambiente suficientemente afável para que a criança se sinta protegida e não sofra ser hospitalizada. "

O Dr. Mellado defende que" as administrações e os profissionais de saúde, especialmente os pediatras, temos a responsabilidade de garantir a todas as crianças sem diferenças geográficas ou sociais, o seu direito de acesso a cuidados de saúde excelentes que evita a dor, o que favorece a sua recuperação e para tratar e cuidar dele como a criança que é a população mais preciosa em todas as sociedades do mundo. "