O sistema imunológico de uma mulher grávida é mais fraco e, consequentemente, ela tende a desenvolver constantemente infecções vaginais. Como evitá-los?

A gestante tem seu sistema imunológico reduzido, para não rejeitar o embrião/feto, por isso é mais comum ela ter infecções vaginais, que nem sempre estão relacionados ao contato sexual, explica o infectologista Gerardo Casanova Román, presidente e fundador da Associação Mexicana para o Estudo das Infecções Sexualmente Transmissíveis.

O tampão cervical também pode causar infecções vaginais

Juntamente com o sistema imunológico enfraquecido, o canal vaginal de uma mulher grávida é mais ativo e úmido para criar o “plugue cervical” que ajudará a manter a gravidez viável, também por isso que as infecções vaginais são constantes.

“O tampão mucoso cervical é formado por secreções das células do colo do útero e começa a se formar nas primeiras semanas de gestação (entre a quarta e a sexta) e será descartado na hora do parto. É por isso que quando se tira a rolha, a bolsa rebenta e o bebé está prestes a nascer”, especifica Gerardo Casanova Román, entrevistado exclusivamente para o Bbmundo.

Causas de infecções vaginais

A maioria das infecções vaginais não ocorre por contato sexual, mas se deve a um desequilíbrio da microbiota (anteriormente conhecida como flora vaginal) por vários motivos:

1. Sistema imunológico enfraquecido
2. Confecção do capuz cervical
3. Uso de duchas vaginais
4. Dieta rica em açúcar, com pães, frutas tropicais (manga, banana ou abacaxi).
5. Tratamento com antibióticos que prejudicaram o equilíbrio das bactérias vaginais.
6. Automedicação de óvulos de venda livre, entre outros.

As infecções vaginais são divididas em:

Bacteriana: estão presentes em 20 a 40% dos casos, produzem gases com cheiro ruim, muito parecido com o de peixe. Com fluxo abundante e leitoso; a infecção pode ascender e inflamar a região pélvica, podendo causar ruptura prematura das membranas e parto prematuro.

– Cogumelos: Estão entre 50 a 60% dos casos. Geralmente há muita coceira, ardor e dor durante a relação sexual. Em alguns casos não há sintomas.
– Misturado: 14 a 20% dos casos são devidos a fungos e bactérias. Os sintomas são os mesmos para ambos os casos.
– Parasitária: São de 2 a 4% dos casos. Corrimento amarelo-esverdeado fétido.

Leia também: infecções do trato urinário durante a gravidez

Infecções vaginais durante a gravidez podem causar paralisia cerebral no bebê

“Independente da origem da infecção vaginal, é importante que diante de qualquer sintoma ou corrimento estranho com ou sem mau cheiro, seja imprescindível ir ao ginecologista para uma revisão, pois algumas infecções bacterianas já foram associadas a paralisia cerebral infantil, desde que o microrganismo invade e consegue passar rapidamente pelas membranas que protegem o feto e tudo é invadido, inclusive os neurônios infantis”, adverte Casanova Román, especialista em infecções.

5 dicas para evitar infecções vaginais se estiver grávida

1.Uso cueca de algodão.
2. Verifique a dieta se você teve infecções vaginais recorrentes, então reduzir a ingestão de açúcares: pães, bolos, frutas e chocolates.
3. Prefira roupas soltas a apertada favorece a irritação e os fungos entrarão mais facilmente.
Quatro. Use probióticos especiais para que a vagina a fim de reparar os microorganismos na área. São lactobacilos em cápsulas que se colocam por via vaginal, pergunte ao seu médico quais são os ideais para você.
5. fazer sexo seguro, Sempre que você tiver um novo parceiro ou considerar que seu parceiro é infiel, use preservativo para evitar qualquer tipo de contágio.

O que é dilatação cervical prematura?