Calma! Também não é o fim do mundo. Nós lhe dizemos como curar a ferida de seus filhos se eles sofreram um abandono próximo ou um abandono psicológico.

O neuropsicólogo americano Allan Schore cunhou o termo “quase abandono” para se referir a pais, avós ou adultos que estão criando um menor sem se envolver emocionalmente com ele.

Ou seja, quando o adulto está com o menor na mesma casa, até mesmo no mesmo cômodo, mas não tem parentesco com eles. Eles estão fisicamente lá, mas sua mente, emoções e atenção estão em outro lugar.

Próxima paternidade, a chave

Para evitar o psicológico ou quase abandono, Recomenda-se começar com a parentalidade próxima, que vem da palavra proximidade, que significa proximidade, confiança ou não colocar distância entre duas pessoas. Em poucas palavras significa: estar perto do outro.

Desta forma, é necessário dar tempo de qualidade ao seu filho. Não é que você esteja com ele dia e noite, mas que você fique emocionalmente próximo:

1.Olhe-o nos olhos: O olhar denota interesse pela outra pessoa.
dois. Tenha uma escuta ativa: Não importa se o seu filho lhe conta o mesmo filme ou história. Sempre preste atenção!
3. Incentive o diálogo: Mesmo que seu filho esteja começando a falar, diga a ele que você o entende, que o apoia e que entende completamente o que ele quer lhe dizer.
Quatro. Dedique tempo aos seus interesses: Se seu filho quer brincar, correr, pintar, dançar ou assistir a um filme, envolva-se. Não o deixe sozinho, “abandonado” em sua atividade.
5. Explique que há tempo para tudo: Diga a ele que você tem um emprego e que durante esse tempo você não pode fazer atividades juntos, mas que quando terminar “você terá tempo para ele”.
6. Envolva-o em sua lição de casa: Se você tiver que cozinhar, dê a ele uma tarefa para fazer de acordo com sua idade: achatar a massa, bater um ovo, cortar o presunto com as mãos, por exemplo. Se você tiver que fazer um trabalho doméstico, dê a ele um pano para “limpar”. O objetivo é passar tempo juntos e durante esses momentos conversar.
7. Atribua-lhe tarefas: Às vezes o lazer é o maior inimigo das crianças, então dê a elas tarefas: arrumar os livros, tirar o lixo, regar as panelas, arrumar os guardanapos. Lembre-se de que não importa como ele faça isso, o objetivo é que ele se sinta parte da família.

Recomendamos que você leia: 7 feridas de filhas que não se sentem amadas pela mãe

Se seu filho sente um certo abandono, o que fazer?

Caso seu filho já sinta algum grau de abandono, pois está rejeitando você, não quer falar com você ou você sente que ele não confia em você, não se assuste, existe uma solução.

“Alguns pais são inacessíveis aos filhos, estão desconectados do que está acontecendo com eles, de seus medos, preocupações, necessidades e sonhos. Portanto, a primeira coisa que deve ser feita é conversar sobre o que está acontecendo, chegar a acordos e, se não forem cumpridos, é necessário fazer terapia psicológica para ajudar os pais a se envolverem, para que os menores cresçam sem medo. , raiva ou tristeza, indica Maricela Fonseca Analco, professora de Orientação Familiar e diretora da Unidade de Atenção Integral, que afirma que cada caso é tratado individualmente, pois as circunstâncias são diferentes em cada família.

Saiba mais sobre o abandono e as feridas da infância nestas notas:

→Como se cria a marca do abandono nas crianças?

→Como explicar ao seu filho a ausência do pai

→3 feridas emocionais da infância, reconheça-as e cure-as!