Ninguém nunca disse que educar nossos filhos seria uma tarefa fácil. E percebemos isso dia após dia. Existem muitos modelos e técnicas que podemos implementar para ajudar nossos filhos a crescer corretamente. No entanto, é bom conhecer os prós e contras desses métodos e encontrar formas de aplicá-los dentro da família de acordo com nossos próprios valores e princípios. A paternidade permissiva é um desses modelos e, como todos eles, não é ruim. No entanto, também não deixa de ter consequências se não for aplicado corretamente.

Pais permissivos: o que os caracteriza?

Talvez, quando nos falam sobre parentalidade permissiva, não saibamos exatamente a que se refere ou que vantagens e desvantagens tem. Talvez também não saibamos o quanto somos permissivos com nossos filhos ou se isso os ajuda mais ou menos. Uma boa maneira de entender é analisando a relação que temos com nossos filhos. Se somos pais permissivos, então:

  • Constantemente tomaremos decisões por nossos filhos.
  • Aprovaremos os desejos de muitas crianças, caso contrário, pensaremos que os negligenciamos.
  • Será difícil para nós estabelecer obrigações e fazê-los assumir responsabilidades por medo de suas “birras ou birras”.
  • Sempre procuraremos desculpas e pretextos para justificar seu comportamento.
  • Sentiremos que é mais fácil agradar nossos filhos do que impor limites.
  • Podemos chegar a sentir falta de autoridade de nossa parte diante de comportamentos que devem ser corrigidos.

Se alguns desses comportamentos são familiares para você, você está no que é chamado de parentalidade permissiva.

Vantagens de ser permissivo com crianças

A paternidade permissiva tem uma série de vantagens que vale a pena observar. Por sua vez, também são relevantes na hora de escolher como queremos criar e educar nossos filhos. Embora os limites sejam necessários, ser permissivo também traz algumas vantagens:

  • A relação pai-filho é mais fluida.
  • Menos problemas de auto-estima.
  • É menos provável que a criança desenvolva uma personalidade apática.

No entanto, à medida que as crianças crescem e amadurecem, é fácil para elas ver os pais como “amigos” em vez de pais, com tudo o que isso implica. Assim, essas pequenas vantagens podem se tornar, a longo prazo, uma perda de autoridade por parte dos pais. E, conseqüentemente, estaremos diante de crianças desafiadoras e adolescentes desorientados e pouco motivados.

Desvantagens de ser permissivo com crianças

Diferentes estudos e investigações concluíram que a parentalidade permissiva levada ao extremo tem consequências graves para o desenvolvimento das crianças. De acordo com esses estudos, as desvantagens de adotar o modelo parental permissivo são, entre outras:

  • Crianças muito mais inseguras.
  • Limitações na gestão das emoções.
  • Falta de empatia nas crianças, o que as torna conhecidas como “crianças tiranas”.
  • Amostras de falta de respeito pelos mais velhos.
  • Altos níveis de frustração.
  • Dificuldades em manter conversas.
  • Falta de motivação diante dos desafios.
  • Dificuldade em se adaptar às mudanças em seu ambiente.

Em suma, podemos dizer que este modelo parental, levado ao extremo, implica complicações graves no desenvolvimento físico e emocional as crianças.

Permissividade e limites: equilíbrio é a chave

Relaxar o nível de exigência e “ignorar” certos limites e em momentos muito específicos não é algo ruim. No entanto, os pais devem estar muito atentos às regras que podemos relaxar: assistir televisão depois das 22h é uma regra que podemos “levantar” em uma sexta-feira, por exemplo. No entanto, um limite relacionado à higiene pessoal ou aos estudos são limites que nunca devem ser negligenciados ou relaxados. A diferença entre eles é que o segundo pode ter consequências muito negativas no desenvolvimento de sua maturidade.

Portanto, estabelecer quais limites podem ser amenizados é uma decisão que deve ser tomada em família e cada um é diferente. Refletir e fazer uma lista dos limites e regras que queremos estabelecer é uma boa forma de identificar quais são aqueles em que podemos ser permissivos e quais são imóveis.

Limites e normas de acordo com a idade: as expectativas devem ser ajustadas

Levando em consideração tanto as vantagens quanto as desvantagens de ser muito permissivo, pode-se dizer que o Limites e regras são essenciais. No entanto, estas não podem ser impostas aleatoriamente, mas devem ser ajustadas à idade de cada criança. Da mesma forma, deve-se levar em consideração o grau de maturidade, que deve ser suficiente para que a criança entenda esses limites e como realizar as tarefas ou regras estabelecidas em casa.

O que podemos fazer quando percebemos que fomos muito permissivos?

Perceberemos que fomos muito permissivos quando tivermos a sensação de que “nossos filhos estão fugindo de nós” como eles dizem. No entanto, já lhe dissemos que não é uma situação irreversível ou complicada de resolver: simplesmente, chegou o momento de estabelecer limites.

Ao estabelecer limites depois de ter sido “muito” permissivo, devemos levar em consideração os seguintes pontos:

  • Combine certos limites com eles por meio de uma comunicação ativa, mas assertiva.
  • Uma vez estabelecidos limites e regras, eles não devem ser afrouxados.
  • As consequências devem ser muito claras e, mais uma vez, nunca devem ser relaxadas.

Como acontece com tudo, encontrar um bom equilíbrio é essencial em todas as áreas da nossa vida. Nós o conhecemos bem. Criar nossos filhos, então, não é diferente. Com isso, queremos dizer a você que aumentar certos limites de vez em quando pode ajudá-lo a ser mais “amigo” de seus filhos. Mas, também precisam ver firmeza naquelas rotinas ou hábitos que são considerados essenciais em seu desenvolvimento e crescimento.