Receber um novo membro na família é algo que nos enche de alegria e felicidade. Não só quando voltamos para casa com nosso bebê, mas durante toda a gravidez e os preparativos para sua chegada. No entanto, a chegada de um filho implica também mudanças, mais ou menos profundas, no casal, que podem levar a situações complicadas se não souberem enfrentar e ultrapassar.

Quais fatores favorecem as crises do casal com a chegada do bebê?

Fazer a família crescer traz uma série de mudanças no casal, positivas e negativas. Embora todos saibamos aproveitar os aspectos positivos, é muito difícil para nós enfrentar os negativos e é justamente essa omissão que pode nos levar a sofrer as temidas crises de casal. Existem vários fatores que podem desencadear essas situações:

O bebê é o único centro das atenções

Não é novidade que o bebê acaba se tornando o centro da família e onde todas as atenções são prestadas. Obviamente, isso não é ruim, mas não significa que os outros membros da família devam ser perdidos de vista. Nesse caso, nos referimos ao casal, mas a mesma coisa acontece quando há irmãozinhos.

No caso do casal, é fácil focar e satisfazer apenas as demandas do recém-nascido, deixando de lado as necessidades dos membros do casal. Com isso, o terreno fica apenas preparado para o distanciamento, o que não favorece a manutenção dos vínculos afetivos, nem menos, a longo prazo, na educação do filho.

Mais tarefas domésticas, menos tempo

O bebê traz consigo um aumento do trabalho em casa, enquanto temos menos tempo para nos dedicarmos a essas tarefas de cuidar da casa. Assim, é fácil para o pai e para a mãe sentirem-se frustrados por não conseguirem alcançar tudo e é esse desconforto que se transmite ao outro, que gera mais frustração do que soluções.

Falta de comunicação

A falta de comunicação é outro dos pilares das crises de casal e é que temos muito menos tempo para dedicar a conversas “profundas” com o nosso parceiro. Essa falta de comunicação faz com que o casal se afaste, ao mesmo tempo em que pode gerar muitas discussões.

Diferentes modelos parentais

Antes da chegada do bebê, parece que o casal se entende bem. Ambos compartilham um estilo de vida e têm ideias muito claras sobre como criarão seu bebê. Porém, com sua chegada, tudo muda.

A torrente de hormônios que nos invade nos faz repensar a forma como educamos nosso filho: podem começar a aparecer sentimentos de culpa, falta de informação, além dos hormônios que nos tornam excessivamente superprotetores. O que parecia simples de fazer, agora se torna muito mais complicado.

Como superar ou evitar problemas de relacionamento?

Se o casal estiver junto, todos esses problemas podem ser minimizados. Mesmo com um bom planejamento, eles podem ser evitados.

Organize bem a família e suas rotinas

Se há uma coisa que precisamos fazer para acabar com esses problemas, é garantir que nenhum dos lados carregue mais peso do que o outro. Se a mãe decide amamentar e acorda muitas vezes durante a noite, é normal que ela esteja muito cansada: é fundamental que ela não dedique as energias que lhe restam aos afazeres domésticos, por exemplo.

Solicitar e dar suporte

Tanto a mãe quanto o pai devem pedir o apoio de que precisam, seja para superar emoções e sentimentos, seja nas tarefas domésticas e nos cuidados com os filhos. Nunca é bom presumir que a outra parte sabe o que pensamos ou que sabe o que deve fazer o tempo todo: Expor as necessidades é vital para que nosso parceiro possa nos ajudar.

Comunicação: aberta e sincera

A comunicação no casal é crucial se você quiser evitar problemas dentro do casal e, portanto, uma distância. Assim, você deve evitar sempre culpar a outra pessoa ou apontar que a dedicação dela não é a mesma. Tudo o que é culpado deve ser descartado. Pelo contrário, é necessário que ambas as partes participem ativamente das conversas e saibam ouvir o outro.

Encontre tempo para curtir o casal

O tempo que tínhamos para dividir com o casal será bastante reduzido com a chegada do bebê. Porém, é fundamental reservar um tempo para o outro e, como este é reduzido, devemos torná-lo de qualidade. Durante os primeiros dias ou meses do bebê é difícil deixá-lo aos cuidados de outras pessoas. No entanto, podemos sempre contar com o apoio da família para encontrar tempo com o nosso parceiro, mesmo que seja apenas por algumas horas.

Cuide do tempo de dedicação pessoal

Por fim, também é muito importante que cada membro do casal possa continuar desfrutando de seu tempo e espaço pessoal. Nesses momentos, é quando nos reconfiguramos e nos reencontramos. E é tão importante para o pai quanto para a mãe. Estar em contacto com os nossos amigos e familiares, poder dedicar algum tempo ao desporto e aos nossos hobbies fará com que nos sintamos melhor e Estaremos recuperando energia para dedicá-la ao que temos de mais valioso: nosso bebê, nosso parceiro, nossa família. Assim, mais uma vez, a organização familiar é essencial.

Os problemas conjugais e as crises após a chegada de um filho são os mais frequentes e não há casal que não os tenha enfrentado, em maior ou menor grau. A diferença entre quem supera e quem não supera está na organização familiar, no bom entendimento e, principalmente, na cumplicidade entre pai e mãe. Seremos pais, mas também pessoas e, portanto, é necessária uma relação amorosa estável e de mão dupla em que ambos os membros se sintam admirados, amados e respeitados igualmente.