Castigo e gritaria não é o que nós, pais, gostamos de fazer; no entanto, às vezes parece que são as únicas técnicas às quais podemos recorrer para ensinar nossos filhos corretamente. Não somos perfeitos e haverá momentos em que perderemos a paciência, mas corrigir é sábio e nunca é tarde para aprender uma série de técnicas que nos permitem melhorar a atitude de nossos filhos sem ter que recorrer a punições ou gritos.

O que são técnicas de modificação de comportamento?

Como o nome sugere, as técnicas de modificação de comportamento são pequenos hábitos usados ​​todos os dias com o qual é possível modificar os comportamentos das crianças que não nos parecem adequados. Para isso, e tendo em conta a natureza do comportamento que queremos modificar, podemos utilizar técnicas de reforço positivo, redução de comportamentos e eliminação destes. Vamos ver um pouco sobre cada um deles.

Reforço positivo: reforço de comportamentos positivos

O reforço positivo é uma técnica que se utiliza para reforçar os comportamentos que nos parecem positivos e aceitáveis, bem como estabelecer aqueles que, embora façam parte do comportamento dos nossos filhos, não são tão frequentes como gostaríamos.

Neste caso, a técnica é muito simples: devemos elogiar a criança toda vez que você faz o comportamento que queremos estabelecer sem implicar repreendê-lo quando ele faz o contrário. Trata-se de prestar atenção apenas ao comportamento positivo. Assim, devemos minimizar a atenção que damos aos negativos.

Redução ou eliminação de comportamentos

Quando falamos de redução ou eliminação de comportamentos, nos referimos àquelas técnicas que nos permitirão eliminar comportamentos inadequados nas crianças ou minimizá-los ao que consideramos aceitáveis.

Penalidade ou custo de resposta

O custo de resposta refere-se à remoção de um reforço positivo. Ou seja, se estávamos reforçando positivamente a criança por um comportamento e a recompensamos com algo (reforço positivo), isso deve ser eliminado quando houver um comportamento negativo.

Reforço de comportamentos incompatíveis

O reforço de comportamentos não compatíveis implica que devemos reforçar aqueles comportamentos que consideramos aceitáveis. sem prestar atenção ao que queremos excluir. Dessa forma, a criança verá que determinado comportamento não chama nossa atenção, enquanto o outro sim. Com isso, conseguiremos que ele elimine um comportamento para reforçar o outro.

hipercorreção

Quando falamos de hipercorreção, nos referimos a eliminar um comportamento substituindo-o por outro e repetindo-o até que se torne um comportamento estável. Existem dois tipos de hipercorreção: prática restaurativa e positiva.

A supercorreção da restituição envolve modificação inadequada do comportamento. Assim, se uma criança, por exemplo, derramou um copo de água, devemos fazê-la apanhá-lo enquanto o enche novamente.

Por outro lado, o positivo pratica a supercorreção, ou seja, fazer com que ele repita aquele comportamento que consideramos adequado quantas vezes for possível. Se, por exemplo, a criança pinta num local onde não deve, devemos fazê-la limpar este local e acrescentar outro local para limpar.

Técnicas de modificação de comportamento e eliminação de comportamento são eficazes, desde que sejam realizadas corretamente. Ou seja, uma série de passos deve ser seguida para que funcione.

Não se apresse, esta é a chave

Seguir os passos corretos para aplicar essas técnicas implica que não podemos nos apressar ao estabelecê-las. Para isso, é fundamental observar a criança por alguns dias e ver quais comportamentos reforçar e quais queremos extinguir.

Uma vez identificados tais comportamentos, devemos selecione aqueles que queremos modificar e estabelecer qual a técnica que vamos utilizar, tendo sempre em conta a sua gravidade.

A aplicação de várias técnicas ao mesmo tempo provou ser um processo muito eficaz, embora nem todos os comportamentos possam ser punidos. Assim, devemos ir passo a passo neste processo.

Por que a punição deveria ser deixada por último?

Muito se tem falado sobre a adequação da punição como técnica para melhorar o comportamento infantil. Embora seja verdade que em alguns casos é necessário, esse recurso deve ser sempre a última escolha, pois traz mais inconvenientes do que benefícios.

Entre as desvantagens da punição, podemos destacar as seguintes:

  • Ao dar atenção ao comportamento, é possível que ele apareça novamente, pois se a criança fizer isso para chamar a atenção, estaremos reforçando o comportamento sem querer.
  • Autoconceito ruim: quando uma criança é punida com frequência, desenvolve uma imagem positiva muito baixa de si mesmo, resultando em falta de autoconfiança e baixa autoestima.
  • A criança pode usar a mesma técnica com outras crianças ou com aquelas pessoas que ela acredita estarem se comportando mal, o que pode levá-la a ter relacionamentos ruins a longo prazo.
  • Dada a carga emocional que o castigo acarreta, a criança pode começar a ter manifestações físicas que vão atrapalhar sua vida e que ela já havia superado: molhar a cama novamente, chupar o dedo, etc.

As técnicas de modificação do comportamento infantil têm sido amplamente utilizadas e estudadas. Muitos estudos mostram sua eficácia se forem realizados corretamente, o que implica estudar o comportamento da criança e estabelecer quais comportamentos recompensar e quais penalizar. Uma vez que estejamos claros sobre isso, devemos estabelecer quais técnicas usar e os reforços positivos que usaremos.