Como mãe, eu nunca imaginei que iria questionar ou debater se a escola era ou não algo essencial na vida de meus filhos, estou me referindo à maneira tradicional e cara a cara de ir à escola e aprender. No entanto, este ano tudo mudou e muitos pais estão fazendo a mesma pergunta: meu filho deve voltar às aulas presenciais ou não?

Dilema de hoje: retornar às aulas presenciais ou não?

Meus filhos estão na escola e meu marido e eu tivemos uma educação tradicional. Porém; Hoje eu me encontro no meio do dilema absoluto sobre o (ainda não tão verdadeiro), voltar para a escola. COVID-19 é o que mudou o mundo nos últimos 6 meses e nosso mundo não foi exceção. Como muitas famílias, passamos de aulas presenciais a virtuais de todos os tipos, primeiro as acadêmicas a terminar o ano letivo e depois as divertidas a acompanhar algumas horas do verão. Ainda estamos em casa, e hoje me pergunto do fundo do coração se é absolutamente necessário que meus filhos voltem às aulas ou não.

Eu experimentei aulas on-line por mais de dois meses, obviamente não foi o mesmo para meu filho, o mais velho de 11 anos, o menor de 4; o fardo, a rotina, a maneira de compartilhar informações e entregar os resultados do progresso da escola … Muito aprendi sobre isso e toda a minha admiração pelas escolas e professores que fizeram os ajustes necessários em dias, para que a comunidade escolar saísse flutuador. Hoje, tenho mais de 120 dias em casa com meus quatro filhos, nunca antes passamos tanto tempo juntos compartilhando tantas atividades que os vi crescer e se transformar em quatro meses como nunca antes, ou antes de não prestar atenção suficiente .

Saiba: A lista sugerida de materiais para crianças do ensino básico para o ano letivo de 2020-2021

Eles não apenas cresceram em peso e altura, mas também ganharam maturidade, habilidades de todos os tipos e me ensinaram professores incríveis sua flexibilidade e resiliência diante das mudanças na vida. Eles se adaptaram com um sorriso e uma imensa paciência que eu não conhecia . Hoje, que os riscos à saúde não diminuíram, hoje que a situação de contágio é latente e potencial em muitos lugares, hoje que ter meus filhos em casa sei que é a melhor e mais segura maneira de ser, hoje me pergunto por inteiro consciência de que devem retornar às aulas presenciais ou não.

Esse debate tem muitas arestas, o mínimo é aceitar que elas voltem e que as aulas sejam virtuais e que cumpram o ano letivo como muitas outras crianças. M é que questões internas são: se eu quero que isso aconteça porque é o que é, ou porque eu não quero que elas fiquem para trás, porque todo mundo vai fazer assim … ou se eu realmente posso cuidar da educação deles pelo menos isso ano, como algo diferente e único que podemos empreender juntos, para nos dedicarmos a uma escola sabática na qual juntos aprendemos coisas que definitivamente não ensinam na escola.

Quero ter quatro filhos colados a um monitor por sete ou oito horas? diariamente, com um ritmo que nem mesmo eu posso sustentar? Ou será que estou realmente com medo ou preguiçoso e não o reconheço e é por isso que ainda não decidi?

Também: A reabertura dos viveiros do IMSS será escalonada consenso com os estados

Acho que muitas famílias estão questionando isso, porque a vida nos coloca sem pedir em uma situação em que temos que cuidar de muitas coisas em casa, incluindo a educação de nossos filhos. Acredito firmemente que o mundo mudou de maneira tão profunda que ainda não o conhecemos. Penso que os seres humanos precisam re-desenvolver habilidades que estávamos perdendo aos trancos e barrancos tais como: empatia, um verdadeiro senso de comunidade e solidariedade, uma preocupação genuína pela vida em todas as suas formas e por cuidar e respeitar ambiente, bem como muitas outras coisas.

Não duvido que as escolas desenvolvam métodos cada vez melhores e melhores que possam acompanhar a educação das crianças à distância, mas também acredito que essa pode ser uma oportunidade de ouro para conectar e reconectar-me com o que é importante na vida, incluindo a formação dos meus filhos, nos quais hoje, se sou brutalmente honesto, me preocupo mais por serem felizes e mentalmente fortes, por se destacarem academicamente.

atemporal, como o tempo em que eles estavam com a família e aprenderam com a vida como nunca antes, a passar horas e horas na frente de uma tela. Não me decidi, mas por enquanto estou mais inclinado a não voltar. Uma parte de mim tem medo de não ser capaz de mantê-los seguros e outra parte de mim quer tê-los perto de experimentar outro modo de vida por opção.

Revisão: SSA: Voltar para a escola não é em agosto e o exame Comipens [19659004] Também sei que existem muitos métodos de educação em casa, não conheço todos eles e sei que existem muitas boas opções, estou documentando sobre isso. Eu mesmo mudei e cresci enormemente nesses quatro meses ao seu lado. Aprendemos a ser e ser como uma família, como uma equipe que compartilha hobbies e gostos e cria grupos dentro de grupos. Aprendemos a nos divertir de maneiras que não sabíamos que podíamos, e, acima de tudo, a valorizar nossa casa que somos “nós”, sentimos falta um do outro e nos procuramos em casa. Estamos muito gratos pelo processo. Paramos de pensar quando isso vai acabar e simplesmente aceitamos que o que estamos fazendo é o melhor que podemos com o que temos sem reclamar, sem sofrer. ] Obviamente, essas são decisões de vida muito pessoais e multifatoriais para cada família. Não pretendo convencer ninguém a escolher “a” ou “b”, simplesmente compartilho meus pensamentos porque sei que talvez existam muitas outras no meio, com um pé só de cada lado do rio, decidindo onde vamos parar.

Por outro lado: esse foi o caminho de volta à escola em Wuhan, na China

Vou lhe dizer o que eu decido, por agora vamos tentar ampliar nossos horizontes. Quanto possível, vamos tentar ver diferentes cenários, estar abertos a possibilidades, ouvir nossos filhos, ouvir nossa intuição.

É um ano, não a vida, meus filhos têm entre 4 e 11 anos. anos eu acho que pode ser um ano i Incrivelmente diferente para o bem, para nós, ficarmos mais fortes quando realmente houver um novo "normal" e, juntos, tivermos ferramentas reais para aproveitá-lo. Conte-nos como você se sente sobre isso e o que você decidiu sobre se eles devem voltar às aulas presenciais ou não.